Monday, August 30, 2010

#5 Marrocos - Day 4

Bem. Acordamos com um sol maravilhoso neste dia. Depois de uma noite um pouco chuvosa soube bem acordar com o cheiro de montanha molhada e verde das plantações.


Tomámos o pequeno almoço, tirámos umas fotos em redor, e fomos caminhar até casa dos pais do Ismail que moravam perto deste Albergue. Reparámos que nestas localidades quando existem cheias, as águas que vêm da montanha formam autênticos rios que atravessam as pequenas aldeias, levando tudo à frente.


Daqui, partimos em direcção às gargantas de Dades, numa estrada no meio de uma vale entre paredes enormes. Parámos num local onde a visão do desfiladeiro era magnifica e da estrada que por entre ele serpenteia até lá acima.


Continuámos em direcção ao Vale do Draa, onde mais uma vez o Ismail nos deixou a pé para irmos ao seu encontro mais à frente, caminhando desta vez sozinhos, apenas com o som do rio que por ali passava, sem pessoas e carros ao contrário do que vimos nas Gargantas do Todra.




Aqui, quem trabalha são as mulheres...


Partimos para trás novamente, em direcção a Ouzarzate, onde visitámos o museu do cinema, com cenários de filmes conhecidos ( ou então não).


Aqui perto, um comerciante aproveitou para começar o negócio vestindo-me à "marroquino"., mas não me entusiasmou e felizmente não houve compras.


Arrancámos novamente, em direcção a Marrakech, no entanto, parámos para almoçar. Visitámos em Ait-Ben-Haddou, uma aldeia antiga, que serviu de cenário também a vários filmes.


Deparámo-nos com um problema, para lá irmos teríamos de atravessar uma espécie de rio (Isto de bike, fazia-se a abrir, mas como ouve chuvas no dia anterior, o chão encontrava-se enlameado, e provavelmente esta lama iria-se agarrar aos pés). O segundo problema era ter que atravessar o rio de burro e a ideia não me agradou muito, não tivesse sido a São a insistir. Tudo resolvido e "embarcámos" direito ao ponto mais alto deste Kzar. O Ismail queria ficar cá em baixo, mas tanto atravessou o rio como subiu lá acima.




Quando regressámos, encontrámos uma publicidade que nos era familiar.


Partimos depois, cansados e transpirados, para o nosso destino, mas, para isso era necessário atravessar as enormes montanhas do Atlas. Tivemos um pouco de azar, porque parte da subida e descida foi feita com chuva, e não é agradável andar a passear a 2260m de altitude a chover, apesar da vista continuar magnifica.


Chegámos finalmente a Marrakech. Não tem explicação o ambiente aqui vivido. Estradas muito largas, com grandes passeios. Tudo mais ou menos arranjado, muitos carros, centenas de motas e bicicletas, charretes, milhares de pessoas nas ruas...


O Ismail estacionou o carro já dentro da Medina e tivemos que nos deslocar para a nossa Riade (o local onde iríamos dormir) a pé. Tive um pouco de receio de atravessar certas ruas. Muita gente, nós com as malas atrás, etc. Fomos em direcção à Place Jemma El Afna, virámos à esquerda para outra praça, mas de dimensões muito mais pequenas, novamente à esquerda para uma rua com lojas de comércio de um lado e outro, depois à esquerda para uma rua ainda mais estreita, andámos mais 30m e virámos à direita, mais 10m, outra vez à esquerda para um espécie de porta/tunel, até à rua da entrada da nossa Riade. Esta rua não tem mais que 1,5m de largura. Neste momento, já equacionava tudo, o local para onde nos levava, etc. Até que, batemos à porta e entrámos num outro mundo. A Riade é uma espécie de residencial, com rés-do-chão, 1º andar e terraço. No total com 6 quartos, um jardim no pátio coberto por um toldo no topo para não entrar sol, e uma pequena piscina. ESPECTACULAR. As fotos mostro no próximo post.

O Ismail deixou-nos à noite sozinhos, e lá fomos nós à aventura, para a praça Jemma El Afna. Um mistura de luz, pessoas, cheiros, tudo o que se possa imaginar. Nesta praça existem as lojas a toda a volta a vender os produtos marroquinos, roupa, sapatos, loiças, tapetes etc. Existem carroças a vender cereais, sumos de laranja, uma zona com vendedores de flores, outra zona em que estão as mulheres com as típicas pinturas henna, e um local enorme onde estão cerca de 100 barracas de comes e bebes.


Aqui, pelo Ismail e pelo livro guia, fomos aconselhados a comer na tasca numero 1, o restaurante da Aicha. Sentámo-nos, pedi espetadas para mim, e uma sopa para a São. As espetadas, maravilha, mas a sopinha era picantezinha, e a Sãozinha comeu-a todinha...


No fim, fomos dar uma volta pela praça, quando a São é apanhada por uma mulher que lhe mostra as pinturas Henna. Ela devolve o livro, diz que não está interessada, e uma outra rapariga, agarra-lhe no braço e começa a pintar...

"Olhe que não vamos pagar isso, não temos dinheiro..."
-"Não faz mal, menina bonita não paga..."
Se não paga, está-se bem...
Passado um pouco, diz a jovem: "Costumo levar 400 dirans, mas como é para vocês pagam o que quiserem..."
Mau... Vou para sacar uma nota de 100, a única que tinha naquele bolso, e diz a senhora assim: "No mínimo 200". Se eu não tinha mais, como é que lhe podia dar mais 100. Depois de muito barafustar, diz:
"Se não paga, a menina leva mais uma.." e pega-lhe no braço e começa a desenhar na palma da mão outra vez...


Passada esta aventura, fomos para a Riade, onde dormimos.... uma maravilhaaaaaaaa

Este é o mapa da viagem realizada por nós neste dia. Ampliar para ver o trajecto.

8 comments:

VITOR said...

gaita...fiquei com bué de pena do burro...

GÔDO

PauloAlves said...

Boas.
Relato espectacular! Parabéns!
Olha se me puderes enviar os tracks de GPs se tiveres, éra fine, pois estou a planear a minha 5ª ida a essa MARAVILHOSA terra que é MARROCOS!
Deixo-te aqui o meu email - paulo.chipline@gmail.com

abraço,
Paulo Alves
Águeda

cadu1981 said...

Vitor, meu paneleiro, de vez em quando tenho pena da tua burra. é tão mal montada...

cadu1981 said...

Boas Paulo. Claro que mando, na boa. queres em que formato?

ha, e o que eu ganho com isso?

Paulo Alves said...

LOL
Quando passares aqui por Águeda ou pela Lousã vamos beber um caneco...!

Olha podes mandar em GPX, é o mais universal.
Manda para paulo.chipline@gmail.com

E entao qd queres ir a Marrocos de Jeep?

Abraço e obrigado
Paulo

cadu1981 said...

Agueda, Lousã, Setubal, nao tem nada a haver.

Ja enviei isso.

Eu ir ia, mas cadê o Jeep?

PauloAlves said...

Obrigado pelo o envio! És de Setubal? Ainda há pouco tempo ai estive um fim de semana!

Quando vieres aqui pra cima, faz o favor de avisar!

Abraço e boas viagens!

cadu1981 said...

Nop. Sou dos Soudos, perto de Torres Novas.

Ir ao Norte? se passar o Rio Nabão em Tomar ja é muito...